28/09/2009

Descoberta interior - Orson Peter Carrara

Por timidez, medo, condicionamentos, traumas e mesmo comodismo deixamos de descobrir nossos próprios talentos, potencialidades e perspectivas. Muita gente verdadeiramente se trava pela ausência dessa iniciativa de autovalorização. Não há o que temer. Todos somos capazes!

É preciso reagir às idéias de derrotismo ou baixa-estima. É preciso parar de se considerar vítima de pessoas e circunstâncias, reagindo de nossas imaginárias fraquezas e incapacidades para alçar vôos de realização pessoal.

Como conseguir isso? – perguntarão muitos.

O processo é simples. Basta o exercício da viagem interior. Conversar consigo mesmo. Entrevistar-se! Parece estranhos, mas é real.

Isso inclui a indagação das razões de nossa reações. Qual a razão de nossas alegrias, de nossas tristezas, angústias e ímpetos de agressividade ou irritação?

O que é que nos deixa felizes? O que nos irrita? O que nos empolga?

Como são nossas reações diante das adversidades e circunstâncias difíceis?

Ao mesmo tempo, analisemos nosso próprio comportamento no relacionamento com os outros. Alguém tem algo a reclamar de nós? Somos inconvenientes? Respeitamos pessoas, opções, instituições? Somos facilitadores ou complicadores?

Estamos em paz com a consciência? Tememos algum olhar?

E conosco mesmo? Temos nos agredido com desânimos e pessimismo?

Como está nosso palavreado? Grotesco, animador ou vulgar?

O que nos incomoda interiormente? O que tememos verdadeiramente?

Como enxergamos o sucesso alheio? E as dificuldades alheias, como enxergamos?

E o relacionamento com Deus, como está?

Note o leitor que tais perguntas podem se estender ao inesgotável. São muitas as indagações interiores. Se não bastasse, o que dizer, dos questionamentos advindos dos relacionamentos, nem sempre saudáveis, muitas vezes tensos e desafiadores.

Por isso, uma entrevista pessoal conosco mesmo é uma dica de descoberta interior. Descoberta que nos trará com clareza nossas potencialidades, nossas habilidades, nossas virtudes e também nossas sombras. Estas, aguardando nossa renovação.

Afinal, estaremos frente a frente com nossas tolas vaidades, com nosso egoísmo feroz e orgulho dominador. Mas encontraremos também nossas virtudes, perspectivas e potencialidades.

Aí surge a oportunidade de investir nas virtudes e lutar contra as imperfeições. E também de usar as potencialidades.

Quem de nós não possui virtudes? Todos possuímos. Não há o que argumentar contra.

Então, comecemos hoje mesmo a descobrir os valores que possuímos, para utilizá-los em nosso favor e em favor dos outros e a descobrir aquilo que ainda é preciso aprimorar em nós mesmos. Estaremos mais felizes e fortalecidos.