02/03/2010

Seja amigo de si mesmo

Ser amigo de si mesmo é medida inteligente. Para isso é preciso agir com discernimento. Isso significa não corromper-se, em toda a abrangência que a palavra permite. Criar problemas que gerem remorsos para o futuro, note-se, é atitude contra nós mesmos.

Uma boa medida para essa receita é envolver-se com as boas causas; é também ler bons livros, assistir bons filmes, ouvir boa música e para os que apreciam também o envolvimento com as artes e os esportes. Tudo isso faz bem à alma, produz bem-estar e saúde, além dos efeitos nos relacionamentos.

Muita gente reclama da vida, mas continua com pessimismo, permite-se mau humor e nada faz para facilitar a vida. Onde está, afinal, a boa vontade que facilite o andamento das providências diárias? Onde está a alegria de viver e a vontade que movimenta iniciativas?

Muita gente diz que nada lhe dá certo no cotidiano, mas continua com ciúme, inveja e ainda alimenta revolta ou vive às voltas com críticas aos outros.

Muitos reclamam da saúde, mas nada fazem para abandonar os vícios ou os pensamentos de inconformação e azedume.

Que autoridade tenho eu para dizer ou questionar isso? Nenhuma! Sou também uma criatura em lutas comigo mesmo, carregando lutas imensas a vencer. Mas o que tenho visto é que é preciso ser amigo de nós mesmos. Afinal, bons pensamentos geram saúde. Igualmente bons sentimentos, boas atitudes, boas palavras também geral saúde.

Gostar de si mesmo é vital. Aceitar-nos como somos apesar da luta contínua por melhorar-se. Isso não é vaidade, é necessário. Desde que não se torne egoísmo...

Abastecer-se de otimismo, sair da acomodação, focar o belo, movimentar-se em favor de alguém, envolver-se com causas humanitárias, renunciar ao medo e à timidez, mas também munir-se amplamente de boa vontade. Eis algumas providências diárias. Levantar-se com alegria, agradecer à vida e a Deus por tudo que nos envolve, eis um segredo simples de saúde e felicidade.

Mas há também um detalhe fundamental: perdoe-se!

Para que alimentar tanta culpa por aquilo que fizemos ou deixamos de fazer?

Qualquer erro pode ser reparado, hoje ou mais tarde. Errar ou equivocar-se não pode ser motivo que nos paralise!

Portanto, amigo ou amiga, mãos à obra. Podemos sim conquistar a felicidade, ainda que relativa. Somos seres muito amados. Por que esquecemos esse detalhe fundamental e nos entregamos tanto a abatimentos sem fim?

Procuremos agir com bondade e confiança em Deus, mas também em nós mesmos. Antes de agir, procuremos raciocinar se o que vamos fazer não vai gerar remorsos e arrependimentos no futuro. O que é que pode gerar remorsos ou arrependimentos? Tudo o que prejudique o próximo ou a nós mesmos. Então, fica fácil analisar cada coisa, apesar dos desafios diários.

Agindo assim, em respeito a nós e aos outros, estaremos sendo amigos de nós mesmos!