23/08/2010

Anjos de asas?

Esse talvez seja o maior e gritante equívoco da novela Escrito nas Estrelas, em exibição pela Rede Globo no horário das seis. Anjos de asas? Como podemos imaginar numa trama que está sendo apresentada com tanta coerência e valiosas abordagens sobre a imortalidade da alma, reencarnação e comunicabilidade dos espíritos, admitir-se a apresentação ridícula dos personagens que representam anjos, de asas? Ainda que a personagem que representa uma das médiuns apresente-se com comportamentos incoerentes, misturada no meio de velas e pedras, cartas e misticismo, o que podemos entender, tendo em vista a diversidade cultural do Brasil no trato com a mediunidade, a apresentação de anjos com asas provoca impacto muito negativo.
Entendemos que uma novela ou filme sofra adaptações próprias em sua produção, mas a presença de asas incomoda. Espíritos nobres e superiores, ou anjos de guarda, dispensam acessórios de qualquer natureza. A leveza do persipírito é que possibilita a volitação e o deslocamento pelo espaço. Asas são frutos da imaginação humana, incapaz no passado de compreender os mecanismos de circulação dos espíritos.
Com a Doutrina Espírita, tais temas saem dos caminhos onde estão o misticismo, o charlatanismo e qualquer vinculação com o fanatismo e a ausência da lógica e bom senso. Aliás, vale dizer que tudo que ficar envolvido com fanatismo, misticismo e ausência de lógica, pode ser o que for, mas deixa de ser Espiritismo, pois que incompatíveis com este. Aí, quando misturamos tais absurdos, tais inclusões correm por nossa conta e risco.
Claro que devem ser levados em conta os exageros e equívocos, por conta de uma produção para a TV que vai atingir públicos variados e nem sempre esclarecidos e alguns recursos são introduzidos com essa finalidade. Mas parece-nos oportuno que a produção da novela reveja tais absurdos. E o público, estejamos esclarecidos.
Será de muita utilidade para o leitor buscar as questões 128 a 131 e 489 a 521 de O Livro dos Espíritos e capítulo VIII – Os anjos – constante do livro O Céu e o Inferno, para entender em abrangência essa velha questão. Será oportuno também consultar as questões 88 a 95 de O Livro dos Espíritos para se compreender a questão da deslocamento dos espíritos pelo espaço e sua forma de apresentação.
Parece insignificante preocupar-se ou abordar a questão de asas nos anjos, mas é preciso que se pesquise sobre o assunto, porque a imaginação popular é muito fértil e vão continuar achando mesmo que os espíritos possuem asas para voar... Vamos estudar?