07/05/2012

Não chore mais!


por Orson Peter Carrara

                Motivos de aflições é que não faltam, diariamente. Especialmente de mães que se preocupam com o futuro dos filhos ou com as precipitações próprias da imaturidade daqueles que estão aprendendo viver.  Nesse Dia das Mães muitas delas não tem o que comemorar, seja pelos filhos ausentes ou rebeldes, ou mesmo porque tiveram seus filhos levados pela morte, em acidentes,enfermidades inesperadas ou prolongadas e até mesmo por filhos presos pelo desrespeito à Lei, em duros processos de reajuste social.
                 Se não bastassem as dificuldades financeiras da maioria da população e mesmo as limitações individuais que todos guardamos, que se agravam com os vícios que nos permitimos, ainda há a perversidade da corrupção e das drogas que matam esperanças e precipitam famílias inteiras em verdadeiras tragédias de doer o coração.
             
 Por outro lado, quantos casos não há de jovens que se destacam nos estudos, são filhos disciplinados e carinhosos e que, inesperadamente, desaparecem em acidentes lamentáveis ou assassinatos que impactam famílias bem constituídas, por força mesmo de situações que até nos escapam à capacidade de entendimento.
             
 Todavia, mães, e dirijo-me também os pais atingidos por tais circunstâncias sempre difíceis, permitam-me dizer-lhes, de coração, que apesar do choro incontido – que este não seja de revolta ou acusações – não nos deixemos abater. Chorar de saudades, de justa aflição é normal e até saudável, desafogando os sentimentos. Acrescentar a revolta, todavia, é jogar álcool no fogo, é alimentar e manter o sofrimento.
                Por isso, neste Dia das Mães, quando a saudade também pode estar afogando o peito de filhos e mães, permito-me transcrever ao leitor sugestiva mensagem que muito me ajudou em determinada época, válida em qualquer época da vida ou do ano. Ela se chama O Auxílio Virá. Note a oportunidade da abordagem:
O problema que te preocupa talvez te pareça excessivamente amargo ao coração. E tão amargo que talvez não possas comentá-lo, de pronto.  Às vezes, a sombra interior é tamanha que tens a ideia de haver perdido o próprio rumo. Entretanto, não esmoreças. Abraça o dever que a vida te assinala. Serve e Ora. A prece te renovará energias. O trabalho te auxiliará. Deus não nos abandona. Faze silêncio e não te queixes. Alegra-te e espera, porque o Céu te socorrerá. Por meios que desconheces, Deus permanece agindo. 
                A mensagem assinada pelo nobre Emmanuel cabe em qualquer circunstância. Tenho essa mensagem sempre comigo, busco-a nos momentos difíceis e a tenho divulgado para que possa ajudar outras pessoas. Covenhamos, as dificuldades são degraus de aprendizado.
                Mães, pais ou filhos, cônjuges ou amigos, na circunstância que for, é sempre necessário lembrar: Por meio que desconheces, Deus permanece agindo. Em nosso favor, em prol do equilíbrio e da serenidade para que vivamos melhor. Não nos esqueçamos disso!