15/08/2012

Cunha, amigo de todos!


por -  Orson Peter Carrara

Retornou à Pátria Espiritual na manhã desta quarta-feira, 15 de agosto de 2012, no mesmo dia em que se comemoram os 60 anos de fundação da Mansão do Caminho, em Salvador-BA, e também os 107 anos de fundação do jornal O Clarim, em Matão-SP. Numa data histórica e espírita, pois, para também homenagear um grande amigo igualmente dedicado à causa espírita.
Moço bom nosso amigo Cunha, como era conhecido. Aos 48 anos, seu nome completo é Otavio Franklin Cunha Neto, mas todos o chamavam de Cunha e alguns poucos de Otávio. Aprendemos a admirar e respeitar esse dedicado trabalhador espírita. Três filhos, uma família linda, um amigo de todos.
Gradativamente tornou-se muito conhecido. Dedicava-se com afinco na retransmissão do boletim diário emitido em Araçatuba-SP pelos esforços de Ismael Gobo, outro dedicado companheiro das lides da divulgação. Mas não foi só. Organizava jornada de palestrantes pela região de Itapira, cidade onde morava, mantinha o clube do livro, esforçava-se pela presença constante de palestrantes em sua cidade e cidades vizinhas. Chegou também a criar um boletim próprio de divulgação. Mantinha extensa lista de relacionamentos pela Internet que sempre usava para divulgar eventos e notícias relacionadas com o movimento espírita. E ultimamente estava intensamente envolvido com o conhecido e respeitado Instituto Bairral, na conhecida Itapira.
Quem não o conheceu? Era comum ele ir às palestras em outras cidades, ia com a família, motivava outros companheiros e tinha grande facilidade de fazer amigos, comunicar-se. Guaxupé, Poços de Caldas, Socorro, Lindóia e tantas outras. Lá estava ele, sempre presente! Sorridente, disposto, amigo!
Mas partiu cedo, deixando a marca de sua personalidade simples e dedicada.
Todos que fomos a Itapira guardamos imensa gratidão ao amigo. E mesmo em outras cidade, como já citei, lá o encontrávamos com frequencia. Mas a vida tem suas razões. Uns partem cedo, outros mais tarde. A enfermidade rápida cumpriu possivelmente o planejamento que trouxe consigo.
É difícil para a família, esposa, filhos e genro. Mas as luzes da Doutrina Espírita confortam o coração na hora difícil. Apesar da dor natural, a alma é imortal, os laços de afeto e gratidão nunca se perdem. A notícia tocou nossos corações na manhã desta quarta-feira, convidando-nos a refletir sobre a vida e seus desdobramentos.
Cunha, meu amigo! Receba o abraço de todos aqueles que foram conquistados pela bondade de seu coração. Fique bem, amigo! Nossas vibrações de carinho e especialmente de gratidão são dirigidas a você e sua família. Aprendemos todos a amar vocês todos! Ao lado da dor inevitável, embora temporária, o que fica mesmo é a grandeza da imortalidade da alma. Agora você está liberto do sofrimento físico e gradativamente constata a realidade que sempre amamos e por ela lutamos na divulgação – como você fez tão bem – : somos imortais e imensamente amados pela bondade de Deus!
Paz ao teu coração, amigo, com nossa gratidão!