18/06/2013

Melhor defensiva

Orson Peter Carrara
O tédio, com seus lamentáveis desdobramentos que podem alcançar inclusive enfermidades, e as viciações de todo tipo que infelicitam a sociedade atual, também com doenças e violência que se generalizam, encontram solução fácil numa das grandes virtudes da vida humana: o trabalho.

 Remunerado ou não, o trabalho dignifica a vida. Todos precisamos dele até por questão de alta estima e reconhecimento.  Mas muito mais que reconhecimento e alta estima está o valor do trabalho, que destacam a capacidade humana em produzir com criatividade.

 Ele é a melhor defesa contra as viciações e contra o tédio, pois que anula a ociosidade e seus prejuízos. Mesmo que a situação econômica favorável nos dispense o trabalho remunerado, apliquemo-nos em qualquer atividade útil para nos sentirmos melhor. O trabalho é lei da vida, tudo se move pelo trabalho, pelas energias criativas que todos possuem, melhorando a vida e promovendo o progresso.

 A inércia, a falta de interesse, a omissão e a indiferença aos nobres propósitos da vida criam viciações graves na mente e no corpo, infelicitando e trazendo doenças.
 Alguém talvez perguntasse como se livrar das algemas do abatimento, do medo, da timidez, da falta da oportunidade e mesmo da tristeza ou da falta de motivação para essa ou aquela iniciativa. Não temos dúvida qualquer em nos lembrarmos do trabalho. Qualquer trabalho que melhore o ambiente, a vida, os relacionamentos. E repetimos: não necessariamente remunerado. A questão de remuneração é outra questão, também importante, mas não alvo principal na presente abordagem.

 O destaque aqui é mesmo o convite em oferecer novo chão à mente pelo estudo que eleve; é também a dedicação ao serviço incessante no bem geral. A nova postura mental, a mudança de foco e a dedicação ao trabalho de autoaprimoramento ou em favor de alguém ou de uma causa humanitária, cultural, esportiva, religiosa, familiar ou social, é a fórmula ideal para libertar-se de todas as algemas. Sim, pois que na aquisição de valores morais ou intelectuais e no auxílio espontâneo, facilitador, à vida que nos cerca, refletiremos os nobres propósito s da própria vida, saindo da cegueira e avançando para a harmonia interior.

 O trabalho é lei da vida, repetimos. Podemos dizer que ele é uma necessidade permanente porque é instrumento didático de aperfeiçoamento do ser pensante que vive num planeta repleto de desafios e ao mesmo tempo se constitui em abençoada morada para a convivência que cria os laços de afeto e amizade.

 É por resultado do trabalho que desfrutamos hoje de todas as facilidades da tecnologia ou do conforto que modifica diariamente todos os padrões do mundo. Desejamos o progresso, a paz, a felicidade, não é mesmo? Pois eles são resultado do trabalho.

 Olhemos à nossa volta: o que é o bem que podemos produzir? Como podemos enxergá-lo e colocá-lo em ação à nossa volta?
 São respostas que só serão encontradas individualmente nesse esforço pessoal de progredir, vencer as acomodações e superar os próprios limites.
 Avante, pois! A vida conspira a nosso favor.

 Para superar tristezas, o tédio e vencermos as viciações, trabalho, muito trabalho!

 O trabalho não só melhora a vida, dignifica o homem, como quebra todas as algemas que ainda nos prendem ao comodismo, à tristeza, à falsa noção de que somos incapazes. Afinal, a criatividade humana é inesgotável.