05/02/2014

Walter White



Por Orson Peter Carrara

Walter Hartwell Branco (também conhecido por seu apelido clandestino Heisenberg) é um personagem fictício na série dramática de televisão americana Breaking Bad. Ele foi criado pelo criador da série, Vince Gilligan e é interpretado por Bryan Cranston. Walter já foi um promissor químico e esteve entre os fundadores de empresa milionária, que abandonou por razões pessoais e tornou-se um professor de química do ensino médio, infeliz e desiludido. 
 
Depois de ser diagnosticado com avançado estágio de câncer de pulmão, ele recorre a fabricação de metanfetamina para assegurar a continuidade da segurança financeira de sua família após sua morte. Como a série progride, Walter se torna gradualmente mais perverso e mais vilão.

            A série dramática (em 5 temporadas de mais de um dezena de episódios por temporada, com média de 45 minutos por episódio) é repleta de crueldades e violência, apesar de muito prender a atenção e de estar construída em roteiro muito inteligente e com muito suspense. E foi exibida por durante 4 anos nos Estados Unidos em episódios semanais.

            O personagem principal transforma-se num grande mentiroso e destrói a vida familiar, fruto de sua ganância e prepotência que andam juntas. Apesar disso, ele conseguiu destruir todo um esquema de tráfico de drogas, o que não justifica as circunstâncias de ódio e violência que criou em torno de si e da família. E o leitor e futuro telespectador vai se deparar ainda com a crueldade do personagem Gustavo Fring. 

            A série está disponível no NETFLIX, portal da Internet que disponibiliza filmes e séries. Embora a série não esteja completa naquele portal, tive a oportunidade de completar os episódios faltantes para ter as cinco temporadas completas.

            Apesar da violência e crueldade em muitas situações dos personagens, a série deixa uma lição preciosa: de que vale querer acumular? Para onde nos leva a ganância? E mostra com clareza os desdobramentos lamentáveis da mentira.

            As situações que vividas pelos personagens deixam reflexões profundas no raciocínio e expõe a evidência de nossa mediocridade humana, quando movidos pelo desejo de poder e iludidos pelos frágeis conteúdos trazidos pelo poder econômico. A história se repete: os criminosos matam-se entre si e nada sobra dos desesperados esforços pela manutenção do poder e das ilusões da posse.

            Eu não comentaria a série não fossem as preciosas lições de onde nos levam nossas ambições, pois o mal não merece comentário. Mas pela inteligente produção não poderia deixar de comentar com os leitores.