25/11/2015

Sentido relativo

 – Orson Peter Carrara

O ano de 2015 motivou a família espírita mundial a comemorar, com alegria, os 150 anos de lançamento da obra O Céu e o Inferno, que estuda a Justiça Divina à luz do Espiritismo.  Não é para menos, a obra é mesmo uma preciosidade, face aos esclarecimento de seus textos, enriquecido que estão por depoimentos colhidos e selecionados por Kardec apresentando a situação dos espíritos no plano espiritual e constantes da 2ª. parte da obra.

O livro é um desdobramento do Livro Quarto de O Livro dos Espíritos,
constituído de dois capítulos e estendendo-se da 920 à última questão da obra que deu origem ao Espiritismo.
E é exatamente em O Livro dos Espíritos, na questão 1009, incluída no subtítulo Duração das penas futuras, que encontramos o questionamento de Kardec: “(...) as penas impostas não o seriam jamais pela eternidade?”.

É que a velha crença do castigo eterno borbulhava na mentalidade humana e hoje já se verifica – embora haja posicionamentos ainda presentes nesse sentido – que a ideia do sofrimento eterno era história ingênua para uma época de infância da mentalidade humana. Aliás, diga-se de propósito que o livro O Céu e o Inferno adentra a questão com sabedoria e profundidade.

O que nos chama atenção, todavia, é que a questão em referência mereceu respostas de quatro sábios espíritos: Santo Agostinho, Lammenais, Platão e Paulo, o Apóstolo, e ainda está acrescido com texto complementar de Allan Kardec, o Codificador.

Nosso objetivo é chamar a atenção do leitor para buscar a questão e suas lúcidas respostas, para estuda-las e juntos ampliarmos nossas reflexões, face à sabedoria das considerações apresentadas, o que seria impossível aqui no contexto de breve abordagem, pois as respostas compõe material para um congresso de espiritismo só sobre a questão 1009. Todavia, destacamos trechos preciosos a seguir:

a)      De Agostinho: “(...) Não há contradição em atribuir-lhe a bondade infinita e a vingança infinita? (...) Ele não seria bom se consagrasse penas horríveis, perpétuas, à maior parte de suas criaturas. (...) não é o sublime da virtude, unida à bondade, fazer depender a duração das penas aos esforços do culpado para se melhorar? (...)”. Refere-se o autor à bondade de Deus, naturalmente, indagando, inclusive, o que seria a duração de uma vida de cem anos, em relação à eternidade e mesmo considerando que interroguemos o bom senso se haveria lógica na condenação perpétua por alguns momentos d erro. Sugiro ao leitor meditar na resposta, lendo-a na íntegra diretamente na fonte;

b)      De Lammenais: “(...) Filhos pródigos, abandonai vosso exílio voluntário; voltai vossos passos para a morada paterna: o pai vos estende os braços e mantém-se sempre pronto para festejar vosso retorno à família.” Isso após pedir que nos interessemos pelo combate por todos os meios para destruir a ideia da eternidade das penas, pensamento contrário à justiça e à bondade de Deus;

c)      De Platão: “Guerras de palavras! (...) Não sabeis, pois, que o que entendeis hoje por eternidade, os antigos não o entendiam como vós? (...) é no sentido relativo que importa interpretar os textos sagrados. A eternidade das penas, portanto, não é senão relativa e não absoluta. (...) Só Deus é eterno e não poderia criar o mal eterno; sem isso seria preciso arrancar-lhe o mais sublimes dos seus atributos: o soberano poder, porque não é soberanamente poderoso quem pode criar um elemento destruidor de suas obras (...)”. Magnífica a resposta de Platão, que endereçamos ao leitor;

d)      De Paulo, o Apóstolo: a resposta do espírito é tão grandiosa que comporta uma abordagem exclusiva e fornece material para amplo estudo. Destacamos, todavia, uma única frase, já no início da resposta: “Gravitar para a unidade divina, tal é o destino da Humanidade. Para alcança-lo, três coisas são necessárias: a justiça, o amor e a ciência; três coisas lhe são opostas e contrárias: a ignorância, o ódio e a injustiça. (...)”. Gravitamos todos em torno de Deus, que é causa de tudo e, incrível e extraordinário, é pensar que Deus é unidade na diversidade que criou, estando em tudo. É o que mais precisamos aprender: enxergar a paternidade divina! E vemos lá, assinalado pelo espírito o que é necessário e o que é o oposto. Considere o leitor os desafios da atualidade e não será difícil perceber os caminhos a que somos convidados a trilhar e mesmo os desafios de enfrentamento natural por força de nossa atual condição evolutiva.


Por isso a velha questão das penas é meramente relativa! O grau de responsabilidade varia de acordo com o conhecimento e não há castigos ou punições, há apenas consequências. O “gravitar” citado por Paulo inclui o esforço pessoal que precisa ser feito para alcançar os propósitos da evolução. Aprisionarmo-nos no medo ou na crença dos castigos eternos é travar esse esforço. É, pois, no sentido relativo que devem ser entendidas as chamadas penas impostas em sofrimento no equivocado entendimento do chamado inferno, pois que os sofrimentos e aflições aplicáveis em situações de lesões ou desrespeito às Leis de Amor que regem a vida e o Universo, nada mais são que meras consequências e nunca castigo. Consequências naturais geradas pelo desamor, pela desarmonia ou pelo desrespeito ou indiferença às Leis de Deus. E a própria aplicação da palavra eternidade é resultado da relatividade do conhecimento no tempo. Não somos eternos, somos imortais. Eterno é atributo de Deus. Nós, seus filhos, suas criaturas, somos imortais. Nunca teremos fim, mas fomos criados um dia, tivemos um início. Por isso devemos entender as questões dentro de sua relatividade.