Follow by Email

10/10/2018

Russell Crowe


O excelente ator cujo nome intitula o presente artigo é também produtor de cinema neozelandês. Depois do sucesso inicial na Austrália, onde sua família mora desde sua infância, tornou-se um ator de Hollywood no meio da década de 1990; ele ganhou o Oscar de Melhor Ator em 2001 por Gladiador, talvez um de seus mais famosos filmes. Mas são ótimos os filmes onde seu nome aparece como Uma mente brilhante e Os miseráveis, entre outros.

Pois pude ver também o belíssimo filme Pais e filhas, lançado no Brasil em 2016.  Uma produção sensível, envolvendo sentimentos e conflitos familiares. Na sinopse da produção vamos encontrar que um novelista mentalmente instável tenta criar sozinho a filha de cinco anos. Vinte anos depois, a garota cuida de crianças com problemas psicológicos e ainda tenta entender sua complicada infância. Mas o filme traz muito mais que isso e faz pensar nos dramas humanos, nas instabilidades emocionais a que nos sujeitamos e os desdobramentos na vida adulta, especialmente quando os dramas são vivenciados na infância, como é o caso da personagem que viveu a morte da mãe e algum tempo depois também a do pai, que igualmente enfrentava suas próprias dificuldades.

A produção bem reflete o cotidiano humano e suas lutas. Contenho-me aqui. Desejo despertar a curiosidade do leitor para que também veja o filme, disponível no Netflix.
Gosto de oferecer essas dicas. Indicar bons filmes é também uma forma de despertar sentimentos e desfocar nossas preocupações e neuroses do dia a dia para que nos lembremos da fragilidade humana, inclusive as nossas, para que aprendamos a compreender, a não julgar, e especialmente a desenvolvermos a solidariedade uns com os outros.

Nesses tempos difíceis da humanidade, o sentimento é a grande chave para superação das adversidades que se apresentam sem cessar, desafiando-nos ao aprendizado e à maturidade, que ainda precisamos conquistar.

A maturidade, que vem com a vivência das experiências, nos fará mais fortes, nos fará agir com mais fraternidade, nos ensinará a amar. Amar, aliás, é o objetivo a que todos nos destinamos. Não é por outra razão os enfrentamentos vários que todos nos vemos, continuamente. Eles têm um fim didático. Estejamos abertos à sensibilidade, não nos deixemos petrificar pelos interesses menores da vaidade ou da ganância... esses nada oferecem e só fazem sofrer. A vaidade, a ganância, a prepotência e mesmo as tolas pretensões, todas filhas do orgulho e do egoísmo, são ilusões que só trarão lágrimas e arrependimentos, que nos aguardam no futuro, como desdobramentos desses comportamentos infelizes.

Ao contrário, a busca constante das virtudes trará lutas sim, mas especialmente alegrias que um dia saberemos reconhecer e validar como esforços autênticos que nunca podem ser desprezados.
Por isso, amigo ou amiga, veja o filme....